ZTOP

Review: Motorola Moto G

Moto G - 01

O Motorola Moto G é um aparelho feito para causar uma mudança no mercado de smartphones. Se seu irmão maior Moto X mandou o recado de que não é preciso ter um hardware extremamente poderoso para criar um telefone excelente, o Moto G segue a linha e cria um novo padrão no mercado dos smartphones intermediários e com dois SIM cards de operadoras.

E por que um novo padrão? Simples: hardware bom (mas não excepcional), câmera razoável, garantia de atualização de sistema operacional e um preço mais que justo (valores sugeridos na versão básica: R$ 649 para um SIM Card com 8 GB internos, R$ 699 para dois SIM cards/8 GB).

Se eu fosse fabricante de smartphones, veria o Moto G como uma grande ameaça: descontando os aparelhos topo de linha do ano, os produtos intermediários e básicos ficam quase sempre no limbo quando se fala em atualizações ou novos recursos. Só nesse ponto o Moto G já justifica o investimento.

1) Design e hardware

Seu design é muito parecido com o do Moto X, por sinal (veja as principais diferenças entre os dois aparelhos), com um acabamento mais simplificado e materiais mais baratos em uso, e tem uma boa pegada (nada exagerada, por conta do tamanho da tela) na mão. A tela de 4,5″ HD é boa, mas não tanto como a do Moto X (questão de fidelidade de cores).

Seu hardware oferece  um processador quad-core básico de última geração de 1,2 GHz (Qualcomm Snapdragon 400, e com software altamente otimizado pela Motorola para melhor desempenho), 3G apenas e câmera de 5 megapixels, além de 1 GB de RAM. E Android 4.3, com atualização prometida para janeiro (Android 4.4 “Kit Kat”). Bônus: 65 GB de armazenamento adicional no Google Drive.

Não existem botões físicos na parte frontal do Moto G….

Moto G - 09

…Somente na lateral direita (controle de volume e liga/desliga).

Moto G - 02

Acima do aparelho vemos o conector para fones de ouvido padrão 3,5 mm (com um microfone para redução de ruídos nas ligações logo ao lado dele). Moto G - 03

E abaixo, o conector microUSB para troca de dados com o computador e recarga da bateria – e outro microfone.

Moto G - 04

Atrás, a câmera de 5 megapixels, seu flash/luz LED, alto-falante (e dá pra ver que a parte traseira fica com marca de dedos). A câmera segue o caso clássico de câmeras em smartphones Android: boas à luz do dia, sofríveis à noite (boa notícia: faz vídeos em câmera lenta como no Moto X). Amostras no nosso Facebook.

Moto G - 05

Diferente do Moto X, o Moto G tem a tampa traseira removível, embora sua bateria de 2070 mAH não saia do lugar (e tem um alerta pra isso, ainda que em inglês).

Moto G - 06

Isso pode causar estranheza entre o consumidor (“como não sai a bateria?”). Talvez seja o caso de aumentar o alerta.

Moto G - 06a

A tampa removível dá acesso a dois slots nas laterais: a versão que testei do Moto G veio com entrada para dois SIM cards de operadoras. O principal fica do lado esquerdo da tela…

Moto G - 07

…e o secundário, do lado direito. Não existe a possibilidade, como nos Nokia Asha, de “hot swap” (=troca de SIM cards com o aparelho em uso – ao inserir um novo, o telefone será reinicializado). O Moto G usa microSIM cards (o X, nanoSIM, ainda menor).

Moto G - 08

2) Benchmarks

Ainda no hardware, vale perceber que o desempenho do Moto G, se comparado a aparelhos topo de linha (nossa referência em 2014 é o Samsung Galaxy S4 4G; e vale a comparação com o Moto X), não é de todo ruim (e bem maiores em relação ao Motorola Razr i, smartphone de um ano atrás).

O que esses números querem dizer? Que aplicativos rodam bem e até mesmo aqueles que precisam de maior desempenho gráfico (leia-se jogos) não devem apresentar problemas.

Uma explicação sobre Benchmarks usados no ZTOP está aqui. Números em AZUL representam o melhor resultado.

Moto G - benchmarks

3) Interface

Um ponto positivo da Motorola pós-aquisição do Google é o fim da frescura de interfaces customizadas impostas pela fabricante. Existem modificações feitas pela Motorola, claro (não é Android “puro” como nos Nexus) e que facilitam demais a vida do consumidor. Telas iniciais não editáveis (eu gosto de uma só)…

Moto G - 01

…Lista de apps e widgets padrão…

Moto G - 02

… e um sistema de notificações inteligente. Algo que eu gosto muito no Android é o modo  de upload de fotos para o Google+, embora isso gere alguns problemas de vez em quando na edição automática.

Moto G - 05

E com o tempo eu até me acostumei com o Google Now (apesar de ele querer me mandar pra casa o tempo todo).

Moto G - 04

A parte de gerenciamento de telefonia do Moto G – afinal, estamos falando de duas linhas telefônicas em um aparelho só – é centralizada nas configurações do aparelho – e a barra superior de notficações mostra o tempo todo quem está em uso (linha 1 ou 2).

Moto G - 06

E você escolhe com qual linha quer fazer ligações.

Moto G - 07

Um detalhe simples e muito útil é mostrar sugestões de contatos enquanto você começa a discar:

Moto G - 08

Voltando ao caso dos  SIMs, também dá para gerenciar o uso de dados nos dois chips.

Moto G - 09

E definir de quem são as prioridades: dados ou voz.

Moto G - 010

A bateria do Moto G segue o padrão de aparelhos 3G com capacidade média de 2.000 mAH de carga: aguenta um dia (12h) de tranco, e você chega em casa com algo entre 25-32% de carga, dependendo do uso. O legal é que o aparelho fica vivo até o último segundo:

Moto G - 011

4) O ponto fraco

O Moto G tem bom desempenho, câmera razoável, hardware interessante e um preço bacana. Mas isso tudo tem um ponto fraco: o armazenamento. As versões mais baratas do Moto G vêm com apenas 8 GB internos, sem opção de expansão com cartões de memória. Eu usei o Moto G alternadamente desde Novembro, quando foi anunciado, baixei meus apps básicos, algumas músicas e vídeos e… está quase cheio. São 8 GB internos, com menos de 6 GB disponíveis ao consumidor.

Moto G - 012

Solução? Gastar mais nas versões especiaiis com 16 GB – chamadas Colors Edition (preço sugerido: R$ 799, e vem com quatro capinhas coloridas traseiras) e Music Edition (preço sugerido: R$ 999, e vem com um fone de ouvido Bluetooth da Sol Republic). Curiosamente, o fone da Sol Republic pode ser ativado pelo chip NFC integrado – recurso ausente do Moto G.

Problema novo? Nessa faixa de preço – principalmente na do Music Edition – o Moto G fica caro demais em comparação ao excelente Moto X (que custa um pouco mais caro e já vem com 4G, NFC e um co-processador que “te ouve” o tempo todo).

De qualquer modo, o Moto G é um baita aparelho que oferece um custo/benefício excelente em comparação a concorrentes mais básicos (Positivo, CCE, Samsung e LG têm aparelhos “dois chips” com preço parecido, mas com desempenho bem menor). Basta saber se controlar na hora de gerenciar os dados internos – o que é um belo desafio. Hoje, se você procura seu primeiro smartphone de verdade com Android, o Moto G é a opção a ser considerada.

Ah sim, é o único smartphone do mercado até onde sei que deseja Feliz Natal para as pessoas :)

Resumo: Motorola Moto G

O que é isso? Smartphone com sistema operacional Android 4.3.
O que é legal? Bom desempenho, tela HD, software otimizado e sem frescuras.
O que é imoral? Pouco espaço para armazenamento (8 GB) na versão mais básica. 16 GB só no modelo mais caro.
O que mais?  Tem versões com 1 ou 2 SIM cards de operadoras. E tem atualização garantida para Android 4.4.
Avaliação: 7 (de 10). Entenda nosso novo sistema de avaliação.
Preço sugerido: a partir de R$ 649 (desbloqueado no varejo; operadoras podem ter planos e ofertas melhores)
Onde encontrar: Motorola

Henrique Martin já escreveu na PC World, PC Mag, Folha de S. Paulo e criou o Zumo em 2007. Em 2011, o Zumo se transformou no ZTOP, referência em conteúdo original sobre tecnologia em um mundo pós-PC. Siga-o no Twitter: @henriquemartin