ZTOP

Pocket Review: Kingston MobileLite Wireless G2

Solução de compartilhamento de arquivos sem fio para dispositivos móveis da Kingston agora também pode ser usado como roteador Wi-Fi.

No início deste ano durante a CES 2015, a Kingston renovou sua linha de dispositivos de compartilhamento de arquivos via Wi-Fi com o lançamento do MobileLite Wireless G2  (modelo MLWG2), um produto que…

MobileLite_G2_overall

… como o nome sugere, recebeu diversas melhorias incluindo alguns novos recursos que não existiam na versão original (modelo MLW221 já analisado por este ZTOP):

Kingston_MobileLite_overall

Na sua essência, o novo modelo faz praticamente as mesmas coisas: cria uma rede local para compartilhar arquivos via Wi-Fi entre diversos dispositivos móveis sem perder o acesso à Internet (ligada por meio de uma segunda interface Wi-Fi), vem equipado com slot para cartão SD/SDHC/SDXC (ou suas verões mini e micro via adaptador) uma porta USB padrão (tipo A) para conectar memory keys e uma USB micro para trocar dados com o PC/recarregar sua bateria interna, que também pode ser usada como bateria de emergência para smartphones. Até por causa disso não iremos a fundo nesses recursos sugerindo que, no lugar, leiam nosso pocket-review do modelo original.

MobileLite_G2_unbox

Dito isso, as novidades ficaram por conta do novo gabinete (12,9 x 1,9 x 7,9 cm — LxAxP) que ficou ligeiramente maior do que seu antecessor (13 x 1,7 x 6,0 cm) talvez para acomodar sua nova bateria de ions de lítio de 4.640 mAh contra 1.810 mAh do original. Com isso a empresa afirma que com a bateria cheia o novo modelo G2 tem autonomia estimada de até 13 horas de uso contínuo ou capacidade de dar até duas recargas completas num iPhone 5. Observamos porém que isso pode variar em outros modelos.

Sua app para sistemas Android e iOS também recebeu melhorias e agora permite compartilhar conteúdo via e-mail, Facenbook e Twitter.

Para nós, a grande novidade desse novo modelo fica por conta da incorporação de uma porta Ethernet no equipamento (uia!) o que permite usá-lo como um mini-roteador de viagem (uia! uia!)

MobileLite_G2_porta_rede

Para isso basta conectar o MobileLite Wireless G2 na porta de rede da casa, empresa ou mesmo do quarto de hotel via cabo de rede (não incluso) que o sistema desativa automaticamente a sua interface Wi-Fi que faz a “ponte” entre a rede local (= internet) e o dispositivo da Kinsgton e o mesmo começa a se comportar como se fosse um ponto de acesso comum compatível com o padrão 802.11 g/n.

MobileLite_G2_porta_modo_roteador

Observamos porém que como este recurso não é o foco do produto, sua funcionalidade foi reduzida ao essencial, ou seja, ele só funciona como roteador protegido ou não por senha (via WPA2 PSK) e só! Nada de modo repetidor, ponto de acesso (AP), DMZ, Port Forwarding, configuração de DHCP e coisas do tipo. Fora isso, a rede do MobileLite não se integra a rede principal formando assim um grupo isolado, o que pode ser uma solução interessante para alguns grupos de usuários que trabalham fora do escritório.

Isso é bom de um lado porque facilita — e muito — a vida dos usuários não iniciados na arte de configurar redes locais (onde alguns termos e definições beiram o exoterismo), mas de outro pode frustrar aqueles entusiastas que gostam de configurações mais personalizadas e/ou precisam integrar esse dispositivo à um ecossistema de rede diferente daquele que ele foi projetado.

Para acessar o MobileLite via PC, Mac ou mesmo um smartphone/tablet com Windows, primeiro é preciso conectar-se ao aparelho como se fosse um ponto de acesso normal (dica: o nome da rede sempre começa com MLWG2-…). Na primeira vez é bem provável que a rede não esteja protegida por senha.

MobileLite_G2_conn1b

Caso negativo, é possível restaurar o sistema para a configuração original de fábrica (sem senha) pressionando o botão de reset por mais de 10 segundos, o que pode ser feito inserindo a ponta de um clipe num orifício presente entre o botão de liga/desliga e a porta USB Micro.

MobileLite_G2_reset

Feito isso, basta entrar no programa navegador web e digitar o endereço http://mobilelite.home que a(s) pasta(s) com o conteúdo armazenado no MobileLite aparece na forma de uma árvore de diretórios.

MobileLite_G2_browse1

Caso esse endereço não funcione, outra dica é entrar no modo de comando do Windows e executar o programa ipconfig. Feito isso, basta anotar o endereço do “Deafult Gateway” (no nosso caso 192.168.201.254)…

MobileLite_G2_IPConfig1

… e digitar esse endereço diretamente no programa navegador:

MobileLite_G2_browse1a

Essa aplicação apesar de simples oferece o essencial ou seja, permite visualizar o conteúdo do MobileLite e transferi-los de e para o computador. Vale a pena ressaltar que assim como nos dispositivos móveis, é possível navegar normalmente pela internet mesmo conectado com o dispositivo da Kingston.

MobileLite_G2_browse3a

Um outro recurso bem interessante é que, quando desligado, o MobileLite se comporta como um hub/leitor USB o que permite transferir de maneira simples e rápida diversos arquivos de e para os cartões de memória instalados no MobileLite. Neste caso, pena que a porta USB ainda não é 3.0.

MobileLite_G2_UBS_HUB1

Além disso sua porta USB do tipo A não serve apenas para conectar memory keys. Ela também pode ser usada para conectar outros dispositivos (como um modem 3G) o que pode ser muito útil nos novos computadores onde a presença mais de uma ou duas portas USB é cada vez menor.

MobileLite_G2_modem_3G

No geral, ficamos bem impressionados com o MobileLite G2 cujas novidades não ficaram apenas no mais do mesmo e sim na implementação de novos recursos que realmente agregam valor ao produto e que o coloca alguns passos à frente da concorrência.

Fora isso, alguns podem até criticar/fazer caretas/torcer o nariz para o fato desse dispositivo não vir com memória instalada. Eu particularmente até prefiro esse tipo de solução já que ele permite ao usuário investir na quantidade de memória que melhor atenda as suas necessidades e orçamento. De fato, a própria Kingston entrou nesse mercado com o Wi-Drive que era um “memory key” com Wi-Fi cujas capacidades de 16 GB / 32 GB podia até parecer muito na época, mas que nos dias de hoje é meio que troco de bala se comparado com os atuais cartões SDXC de 64~128 GB.

Nossa única reserva fica por conta do seu preço sugerido no Brasil (R$ 349) o que pode inibir as chamadas “compras por impulso”. Mas se o consumidor esfriar a cabeça e avaliar as suas reais necessidades pode até ser que o MobileLite seja uma opção a ser considerada.

ztop-indica-novo-selo

Resumo: Kingston MobileLite Wireless G2 (modelo MLWG2)

O que é isso? Leitor de mídias de memória Flash com capacidade de compartilhamento via Wi-Fi.
O que é legal? Simples de usar, capacidade flexível e também funciona como roteador de viagem e/ou bateria de emergência para celular.
O que é imoral? Só aceita cartões MicroSD via adaptador.
O que mais? Ao contrário de alguns concorrentes, esse produto não vem com memória instalada.
Avaliação: 9,0 (de 10). Entenda nosso novo sistema de avaliação.
Preço sugerido: R$349
Onde encontrar: www.kingston.com.br

Desde o século passado Mario Nagano analisa produtos e já escreveu sobre hardware e tecnologia para veículos como PC Magazine, IDGNow!, Veja e PC World. Em 2007 ele fundou o Zumo junto com o Henrique assumindo o cargo de Segundo em Comando, Editor de Testes e Consigliere.

  • Thiago Gambini

    Alô alô Kinsgston Brasil! Na Amazon.com custa US$30,00!! Qual essa taxa de conversão está meio alta…

    • Mario Nagano

      A assessoria da Kingston entrou em contato e informou que o preço sugerido desse produto não é de R$ 551,20 e sim de R$ 349.

      Quando questionei porque o site da própria empresa vende mais caro, a resposta foi que aquele preço é calculado automaticamente pelo sistema que vende o que poderíamos chamar de “pedidos especiais” ou seja, produtos que não tem em estoque no País mas que pode ser trazido de fora a toque de caixa, o que resulta em maiores custos de manuseio e transporte.

      Assim, esse preço de R$ 551 seria o de trazer apenas uma peça dos EUA provavelmente via aérea, com direito a todos os trâmites legais e pagamentos de taxas.

      Isso pode até ser uma alternativa para a memória daquele computador velhinho que acabou de pifar (e junto com ele o sistema de faturamento/emissão de NF igualmente velhinho) e que precisa ser reposto a qualquer custo o mais rápido possível, mas não necessariamente para um produto de linha,

      Assim, fica a dica: Se não for uma encomenda especial, melhor procurar antes numa revenda.

      • Thiago Gambini

        Obrigado Mario pela informação. Na verdade foi uma coincidência incrível. Um amigo que estava nos EUA me perguntou se interessava alguma coisa pois ele tinha sobra na cota. Isso foi semana passada e acabei pedindo exatamente um desses. Hoje vi o post… Achei fantástico e indiquei para meus amigos, mas por esse preço sinceramente não dá. Por R$349 já melhora a situação… sabemos que aí a culpa é o dólar e as taxas.
        Obrigado!

WP-Backgrounds Lite by InoPlugs Web Design and Juwelier Schönmann 1010 Wien