ZTOP

Qualcomm lança celular de entrada com 4G (uia!)

Baseado na plataforma Qualcomm 205 Mobile, o novo produto tem como objetivo ajudar as operadoras a modernizarem suas infraestruturas de rede, aposentando de vez o 2G em favor do 4G.

No post anterior, falamos sobre a nova estratégia de marketing da Qualcomm, onde a marca Snapdragon deixou de ser nome de produto para se tornar uma plataforma de hardware, software e serviços para dispositivos mais premium. Assim, seus produtos mais de entrada/volume serão, de agora em diante, conhecidos apenas como Qualcomm Mobile Platform.

Aproveitando essa deixa, a empresa anunciou hoje em Nova Delhi na Índia, o Qualcomm 205 Mobile Platform, um produto especialmente desenvolvido para levar as vantagens das redes 4G/LTE  para os usuários de telefones celulares de entrada, também conhecidos como feature-phones ou dumbphones, um público alvo ainda relevante em mercados de países emergentes como Índia, América Latina e Sudeste Asiático.

Com essa solução, as operadoras de telefonia podem reformular seus planos de assinatura, permitindo que seus clientes menos sofisticados que utilizam telefones essencialmente para chamadas de voz possam migrar para redes mais modernas e robustas como o 3G/4G.

Outro efeito direto dessa iniciativa é que, com o passar do tempo, as operadoras também possam finalmente aposentar suas infraestruturas de rede GSM/2G…

Henrique comenta: a AT&T nos EUA já desligou parte da rede 2G, matando de vez o acesso à rede do iPhone original … e do sistema de acompanhamento de ônibus em San Francisco(!)

…abrindo espaço (até físico, diga-se de passagem) para infraestruturas mais atuais como o 4G e até futuras como o 5G que cresce num ritmo bastante estável:

Tecnicamente falando, a 205 Mobile Platform é construída ao redor do SoC Qualcomm 205…

… equipado com um processador ARM Cortex dual core de 1,1 GHz, GPU Adreno 304 com suporte para OpenGL ES 3.0 e sistema de memória LPDDR2/3 a 384MHz e eMMC 4.5. Seu encapsulamento é eletricamente compatível com os chips Snapdragon 210/212.

Fora isso, essa plataforma de referência adota um modem X5 LTE Cat 4 (até 150 Mbps para download e até 50 Mbps para upload de dados) com suporte para redes HSPA+, GSM, TD-SCDMA, DSDS, VoLTE ou seja, ele é compatível com as atuais redes 2G, 3G e 4G. Interessante notar que o X5 também é compatível com a nova tecnologia de voz sobre LTE (VoLTE) e voz sobre WiFi (VoWiFi).

Completam o pacote as interfaces de rede Wi-Fi 802.11 b/g/n e bluetooth 4.1, ANT+, rádio FM, câmera frontal e traseira de 3 MP, tela VGA (640x 480 pixels), suporte para dual SIM, porta USB 2.0, sistema de localização por AGPS, GPS, GLONASS e Beidou, soluções de segurança com tecnologia Qualcomm Snapdragon StudioAccessQualcomm SecureMSM e até suporte para pagamento seguro.

Segundo a empresa,  o Qualcomm 205 Mobile Platform está disponível a partir de hoje (20/mar) e os primeiros aparelhos devem chegar ao mercado indiano até o final desse semestre. Para mais informações, clique aqui.

Disclaimer: Mario Nagano viajou para San Diego a convite da Qualcomm, mas as opiniões e fotos bacanas são dele.

Desde o século passado Mario Nagano analisa produtos e já escreveu sobre hardware e tecnologia para veículos como PC Magazine, IDGNow!, Veja e PC World. Em 2007 ele fundou o Zumo junto com o Henrique assumindo o cargo de Segundo em Comando, Editor de Testes e Consigliere.

  • evefavretto

    Fazer aparelho básico com SO baseado em Android usando um SoC Qualcomm da série 2xx nem é novidade. Só olhar os Kyocera DuraXE/XV que existem nos EUA. Até tem PTT e servem de MiFi!

    • Mario Nagano

      Sim, sim, mas acho q a novidade dessa plataforma é que ela foi feita para ser baratinha.

      Se não me engano algo como US$30~50 cada.

  • Gabriel Resende

    “usuários de telefones celulares de entrada, também conhecidos como smartphones ou dumbphones” – Seria feature-phones, ou algo assim? Ou é smartphones mesmo?

    • Mario Nagano

      Tem razão, falha nossa. O termo correto é feature-phone

      Brigadão pelo toque! 🙂

  • sigma7777777

    Pelo evolução dos gráficos acho que quem caminha para a aposentadoria é o 3G e não o 2G, e acho que é o correto. Ao menos em minha experiência o 3G drena mais rapidamente a bateria e esquenta o aparelho. Já o 2G acho importante justamente pelo contrário, embora seja evidentemente bem mais lento, mas viabiliza ao menos o uso de um mensageiro e navegação textual.