ZTOP

10 minutos com Maarten de Vries, chefe de TVs da Philips

O ZTOP bateu um papo exclusivo durante a IFA 2012 com Maarten de Vries, CEO da Philips/TPVision – ou melhor, da divisão de TVs que pertence à Philips e à fabricante de monitores TPV. Ele falou sobre mercado brasileiro e sobre as tendências que a Philips julga reais para aquele que ainda é o principal gadget de entretenimento mundial.

SOBRE TECNOLOGIAS OLED E 4K

“Eles virão, claro, mas só quando as tecnologias estiverem mais maduras e tiverem preços mais acessíveis para o consumidor. Por enquanto, esses lançamentos (mostrados na IFA 2012 pela concorrência) são exibicionismo tecnológico. Pouquíssimas pessoas poderão comprar. É importante mencionar que só vamos investir nisso quando essas condições estiverem favoráveis, assim como (fizemos) com o 3D. Quando a maior parte dos consumidores puder adquiri-la.”

O QUE É QUENTE AGORA?

“Acredito em algumas tendências. A primeira, e uma das maiores, é a internet na TV (que a Philips oferece como Smart TV). Ela é um marco no mercado de televisores, porque muda completamente o jeito como interagimos com a TV e o jeito que a TV interage com smartphones, tablets e computadores. Em 2015, 80% dos televisores vendidos devem ter internet integrada. 80% do nosso portfólio atual (os lançamentos de 2012) já traz Smart TV.”

“Outra coisa é que design continua sendo muito importante. Os consumidores pressionam por produtos mais finos, mais bonitos, feitos com materiais diferenciados. E design é um dos nossos maiores pilares. Já recebemos diversos prêmios internacionais. E com a migração (do mercado) para telas cada vez maiores, vemos novas tecnologias surgindo nessa área, como o 4K – que, de novo, ainda precisa ficar acessível para ficar interessante, para criarem conteúdo para ele.”

Maarten de Vries, CEO da Philips/TP-Vision, na coletiva de imprensa durante a IFA 2012 (foto: Renata Mesquita/ZTOP)

TAMANHO É DOCUMENTO
“Em tamanhos, acho que o modelo na faixa das 50″ vá se firmar até 2015, sendo que na Europa as TVs de 45″ serão as mais adotadas (por causa das salas menores). Há muita evolução nessa área do design também. Hoje, uma TV nossa de 46″ já tem o mesmo tamanho que uma TV de 40″ tinha em 2010. Você tem um aproveitamento 50% maior da tela.”

BRASIL
“O sucesso da Smart TV ainda depende muito da velocidade e da disponibilidade de conexão à internet. O quanto de conteúdo e serviços podemos oferecer, o quão longe podemos chegar (nessa oferta), depende disso. Enxergo o vídeo sob demanda como o principal motivador deste crescimento no país. Veja como o Netflix está indo, o Sunday TV também. Ainda vemos muitos apps de vídeo surgindo para os brasileiros.”

“Somos hoje a terceira maior marca de TVs no Brasil. É um mercado muito importante para a gente, que cresce muito rápido. E nossa marca é forte no país, temos uma história com o consumidor e com o mercado. Os anos de 2013 e 2014 serão importantes para a gente lá. Lógico que é um mercado muito desafiador, há uma erosão de preços e outras condições que não ajudam. Mas vamos investir para garantir nosso sucesso.”

“Uma das apostas do nosso time brasileiro para os próximos anos é deixar a tecnologia Ambilight mais forte no mercado. Esse é um grande diferencial nosso, para o posicionamento da nossa marca, e ainda é muito pouco aceito no país.”

“Somos conhecidos mundialmente pela qualidade de imagem. Para que essa qualidade passe a influenciar a compra, temos de criar materiais de ponto de venda muito fortes, que chamem a atenção dos consumidores pela experimentação, já que é um mercado movido principalmente pela guerra de preços. Essa é outra de nossas tarefas para os próximos anos.”

TPV, AOC, CONCORRÊNCIA

“A AOC é uma das marcas da TPV, mas com um posicionamento de marca totalmente diferente do nosso. E também atua em canais de distribuição diferentes dos nossos, então não há problemas de concorrência. Claro que podemos criar algumas sinergias, contratos especiais com os distribuidores locais, mas apenas isso.”

Os dois principais lançamentos em TVs da Philips durante a IFA 2012 estão justamente baseados nos pilares de design (série 6900) e Smart TV (série 9000, que inclui uma série de novas tecnologias, incluindo Facebook e Twitter durante a programação).

Um pouco após conversarmos com de Vries, encontramos Jordy Egging, diretor de produtos da TPV, que complementou a visão do chefe para o país. “Ainda esperamos uma grande migração do mercado brasileiro das TVs de tubo para modelos com tela plana. Em dois anos esse salto será relevante, pois o consumidor quer design, mas com preço acessível”, disse.

Sobre Smart TV, o executivo não acredita que o crescimento dependa apenas de conexões melhores, mas também da integração com tablets e smartphones. “Não deu certo antes porque queriam colocar a internet na TV, e não se trata disso. O modelo de aplicativos, e não de usar um navegador, provou que é possível. Quanto mais as pessoas se familiarizarem (com o uso de apps), mais a adoção de Smart TV vai crescer.”

Disclaimer: ZTOP se hospedou em Berlin a convite da Philips/TP-Vision. Pagamos nossa passagem (e hospedagem a partir de hoje). Todas as opiniões são nossas.