ZTOP

Panasonic mostra Plasma com 2,5 cm de espessura

Plasma_Z1_overview

Enquanto todo mundo foi cobrir o evento do pessoal de Minato (Tóquio), o pessoal de Kadoma (Osaka) chamou este Zumo para dar uma olhada (exclusiva e em primeira mão) em alguns brinquedinhos novos que a Panasonic deve trazer para o Brasil até o final deste ano, incluindo o modelo acima, o Viera Z1 — uma TV de plasma de 54 polegadas, Full HD e cuja espessura não ultrapassa uma polegada!

Plasma_Z1_lado

Anunciado no Japão em junho desse ano, a Viera Z1 pesa 30 kg  e consome aproximadamente 476 watts (pico) ou 260 watts na média. Segundo Daniel Kawano, analista de marketing da Panasonic, para chegar nessa espessura a empresa desenvolveu uma nova geração de painel de plasma — batizado de NEO PDP — que diminuiu a espessura do seu painel de vidro ao mesmo tempo que otimizou o seu circuito interno resultando assim numa painel bastante delgado. Ele acredita que a espessura não diminua mais do que isso, já que poderia comprometer a rigidez estrutural de um aparelho de porte tão grande.

Depois de anos sob a ditadura do Black Piano, a Panasonic começa a explorar novas tendências de design em suas TVs, entre elas o uso de metal escovado como acabamento externo, caso da Z1, com tons dominantes em prata puxado para o titânio. Note que as barras verticais na cor cinza são caixas acústicas acústicas destacáveis.

Plasma_Z1_design_small

Assim como seu concorrente de Minato, a grande sacada para chegar num equipamento tão delgado foi separar o produto em dois componentes principais: A tela propriamente dita (que funciona quase como um monitor de PC) e um set-top box que concentra a maioria da sua parafernália eletrônica, incluindo o sintonizador de TV e suas portas de entrada e saída comunicando-se diretamente com a TV por meio de uma conexão HDMI que também funciona para transmitir comandos por meio da tecnologia Viera Link, integrando se assim a todo ecossistema de áudio e vídeo da empresa.

Plasma_Z1_setupbox1_small

De fato, o painel do setup-box segue até o mesmo visual das TVs da empresa:

Plasma_Z1_setupbox_front_panel_small

E na parte de trás podemos ver todas as entradas e saídas:

Plasma_Z1_setupbox_back_panel_small

Até ai, nada demais. A grande sacada da Panasonic foi criar um meio para que o setup-box pudesse se comunicar com a tela por meio da tecnologia Wireless HD, que utiliza sinais de rádio de 60 GHz para trafegar dados a 3 Gbps. Isso permite transmitir som e imagens em Full HD e mesmo dados sem precisar de um protocolo muito complexo ou compressão de dados. Essa tecnologia prevê taxas de transmissão de até 25 Gbps, permitindo assim o uso de resoluções maiores com cores ainda mais ricas. A distância máxima entre os equipamentos não deve ultrapassar os 10 metros.

No caso da Z1, o transmissor é um módulo independente do set-top box…

Plasma_Z1_transmissor

…e o receptor é montado na parte de trás da TV e ligado nela via porta HDMI…

Plasma_Z1_receptor

…ficando apenas uma parte aparente na parte da frente da TV.

Plasma_Z1_receptor_front

O controle remoto segue o padrão da empresa, porém com botões brancos e iluminados:

Plasma_Z1_remoto

Em termos de recursos, a Z1 oferece um novo conjunto de ferramentas Viera Tools como um modo de regulagem de imagem certificado pelo padrão THX, modo econômico (menor consumo de energia), reprodução de vídeo (AVCHD) e imagem via SD Card e a curiosa função “Network camera” que transforma a Viera numa central de monitoramento de diversas câmeras IP ligadas na sua rede local.

Plasma_Z1_viera_tools_small

Outra aplicação interessante é o Viera Cast, uma espécie de cliente de widgets ligado na internet que oferece diversos produtos e serviços num modelo muito semelhante ao Internet@TV da Samsung.

O serviço (por enquanto hospedado nos EUA) oferece serviços como Meteorologia, notícias da Bloomberg, You Tube, Flicker e Viera Concierge. Outros widgets podem ser baixados da rede e instalados na TV. Segundo a empresa, a largura de banda mínima para se ter uma boa experiência de uso é algo em torno de 1,5 mega.

Plasma_Z1_viera_cast_small

Outro recurso muito interessante presente na Z1 é seu sistema de controle de formação de sombras ou “fantasminhas” causados normalmente pela apresentação de imagens estáticas na tela por muito tempo (como um menu de DVD) marcando a tela, um problema que sempre atormentou os usuários de TVs de plasma.

Plasma_Z1_anti_image

Para mim, a função mais inesperada é o “scrolling bar”, onde uma barra na cor branca varre a tela da esquerda para a direita (como um limpador de para-brisas) que “estressa” a tela por igual, eliminando assim qualquer sombra existente na tela:

Plasma_Z1_clenaer

A Viera Z1 deve chegar ao mercado até o final desse ano pelo preço aproximado de R$ 24 mil, o que inclui a TV, o set-top box e o sistema de comunicação Wireless HD. Devido ao seu alto custo, a Viera Z1 será por enquanto importada enquanto outros modelos com a mesma tecnologia de plasma devem ser montados no Brasil.

Segundo Kawano, a Panasonic também começa a equipar mais e mais aparelhos com sintonizador de TV digital brasileiro. A intenção é que com o tempo, a empresa tenha algo como 50% da sua linha de produtos com essa tecnologia já embarcada.

Mais lançamentos em outro post (fiquem ligados)

Desde o século passado Mario Nagano analisa produtos e já escreveu sobre hardware e tecnologia para veículos como PC Magazine, IDGNow!, Veja e PC World. Em 2007 ele fundou o Zumo junto com o Henrique assumindo o cargo de Segundo em Comando, Editor de Testes e Consigliere.

  • Uia parabéns ao engenheiros da Mitsushita!

  • dflopes

    UAU, pela tecnologia e pelo preço!!!

    Essa proposta de usar um set-top-box é interessante, mas não eleva os custos de energia?

    E o que mais irrita é a ausência de padrões de conectividade – cada empresa querendo puxar a brasa para sua sardinha: simple link (LG), vieira link, bravia sync (Sony), etc

    Pq não usam o DLNA (dlna.org)?

  • Oi David,

    Cumequié? Vieira Link??? Isso é algum protocolo criado na terra de Cabral?

    (desculpa cara, eu não resisti…) 🙂

    Entonces… até onde eu sei, todos esses protocolos de comandos que usam o HDMI são meio farinha do mesmo saco, mantendo até certos níveis de compatibilidade entre si.

    Esses nomes bonitos servem mais para convencer o consumidor a montar seus sistemas de A/V com produtos da mesma marca.

    [ ]s

    M.

  • Walter Mercado

    simple link (Simplink), vieira link (Viera Link) e bravia sync (Bravia Theatre Sync) não são nomes para implementações do HDMI-CEC?

    Outros nomes:
    Mitsubishi NetCommand for HDMI; Onkyo RIHD; Panasonic HDAVI Control; Panasonic EZ-Sync; Philips EasyLink; Pioneer Kuro Link; Samsung Anynet; Sharp Aquos Link; Toshiba CE-Link; Toshiba Regza Link.

    /malditos departamentos que dão nome… Depois do USB Full Speed inventaram o Super Speed mas… e depois?

  • João

    Não deu pra esperar. Comprei uma Samsung 55′ serie 8. Estou satisfeito.

  • mrcelo

    Os japoneses da Panasonic(Matsushita denki),Sony,Toshiba,Fujii,Canon,Hitachi,Nintendo sã mesmos feras!!!!

  • dflopes

    my bad! Foi mal pelas grafias…

    MAs estou com o Walter: quem designa esses nomes? o Design?

  • Douglas Belmonte

    “Tecnicos” na loja: “me disseram que não se fabrica mais tv de plasma, é tecnologia ultrapassada.

    Será?????????????????????????????

    Se depender da Panasonic vai ficar por muito mais tempo no mercado.

    Ah e esse modelo esta com o preco bom. Vai ver quanto custa uma lcd led da sony sob importação.

    Led era a melhor tv agora é oled e PLASMA (desculpa Neo PDP)

    Vou mostrar para todos os clientes que queimam plasma esse post pode deixar

    Obrigado pelas fotos nagano !

  • Oi Douglas,

    Sim, é fato que a tecnologia de plasma tem perdido espaço no mercado em favor do LCD devido à sua versatilidade e menor consumo de energia. Entretanto, ela ainda não chegou num nível de perfeição capaz de mandar o plasma para o limbo.

    Se a Panasonic acredita e ainda desenvolve o plasma é porque eles vêem vantagem nisso, em especial nesse cenário tipo nóis contra o mundo.

    Costumo dizer que TVs de plasma são como cães de estimação: eles são meio manhosos, carentes e se o seu dono cuidar bem dele dando toda as atenções e cuidados, ele correspoderá no mesmo nível dando só alegrias para seu dono.

    Já os LCDs são como gatos, ou seja, eles não precisam de tanta antenção quanto um cão mas nem sempre podem ser ser a melhor companhia — ou seja — se você é daqueles caras que deixam a TV ligada o dia inteiro e em qualquer canal, o LCD é a melhor pedida.

    [ ]s

    M.

  • Luis Cesar

    O brasileiro já incutiu a cultura do LCD em suas mentes. Enquanto o Plasma se distancia cada vez mais de nós ao passo que evolui para o resto do mundo a passos largos, temos que aturar agora o LED que não muda muita coisa em relação ao LCD pois é a mesma coisa e atrapalha cada vez mais a tentativa de melhorar a fama dos Plasmas por aqui.