ZTOP

OpenMoko: novo celular Linux em abril

OpenMoko: í  esquerda, o modelo novo; í  direita, o Neo 1973

Bati um papo agora com Michael “Mickey” Laner, arquiteto de aplicações da OpenMoko. Ele fez uma palestra hoje na Bossa Conference 08, e falou sobre a nova configuração do aparelho com sistema operacional open source (e, por que não, partes do seu hardware também “abertos”), a ser lançado oficialmente no final de abril.

O novo hardware para o Neo 1973 ganha recursos como acelerômetro 3D (duplo e independente, um para orientação e outro para posição), Bluetooth 2.0, Wi-Fi (802.11n), slot para cartão microSD, 264 MB de memória flash interna, 128 MB de RAM e processador Samsung de 400 MHz. “A plataforma OpenMoko é um playground para desenvolvedores”, diz Laner.

Lado a lado com o Neo 1973, o novo modelo da OpenMoko (também conhecido por FreeRunner, me diz o Pinguins Móveis) não é nada diferente. O design arredondado é o mesmo, e a falta espartana de botões e conectores também (uma saí­da para fones de ouvido, porta USB e um botão de liga/desliga). Segundo Laner, a OpenMoko procura novos distribuidores pelo mundo, e o Brasil está no radar deles – mas é só uma possibilidade por enquanto.

Curiosamente, Laner falou sobre a questão open source do hardware OpenMoko.

Um dos problemas principais em relação ao fato de liberar todos os esquemas é a pirataria (!). Ele diz que um telefone padrão leva até dois meses para ser completamente copiado por fabricantes do extremo oriente – e que, se todos os planos do OpenMoko fossem liberados, em menos de duas semanas já existiria um pirata compatí­vel. Mas arquivos em CAD podem ser baixados do site da OpenMoko, e esquemas da unidade de gerenciamento de energia são públicos.

Mas o que o pessoal da OpenMoko veio fazer no Bossa Conference? São três palestrantes da equipe oficial de desenvolvimento, mais dois participantes da conferência. Tudo pelo open source – Nokia ajuda OpenMoko e vice-versa (é a comunidade em ação).

Mais fotos depois do clique.

OpenMoko sendo inicializadoDetalhe da parte traseira

Interface principal do OpenMoko, modelo novoDetalhe da lateral

OpenMoko ao lado do Neo 1973

Henrique Martin já escreveu na PC World, PC Mag, Folha de S. Paulo e criou o Zumo em 2007. Em 2011, o Zumo se transformou no ZTOP, referência em conteúdo original sobre tecnologia em um mundo pós-PC. Siga-o no Twitter: @henriquemartin

  • Pingback: OpenMoko FreeRunner, primeras imágenes()

  • Mal posso esperar pelo Openmoko+FreeRuner…

    Algo mais para ler direto do palestrante no Brasil:
    http://www.vanille-media.de/site/index.php/2008/03/18/from-switzerland-to-brazil/

  • Wagner de Queiroz

    Mas ai fica a pergunta no ar.

    1. Esse negocinho vai custar quanto?
    2. Se é opensource pq temer a pirataria?
    3. Esse troço realmente funciona?
    4. Eu vou poder escrever algum aplicativo pra ele?

    e a ultima

    5. QUANDO É QUE EU VOU TER O MEU?

  • 1. US$399
    2. Pirataria de hardware é outra coisa.
    3. Depende. O que você quer dizer com funciona? =)
    4. Depende. De você.
    5. Isso só você pode responder