ZTOP

NVidia revela seu SmartBook

nvidia_smartbook

É um smartphone? É um netbook? — Não, isso é um SmartBook, uma nova categoria de computador portátil baseado na plataforma NVidia Tegra que promete fazer tudo aquilo que você sempre quis fazer com um celular 3G mas nunca teve teclas suficientes nem espaço de tela para isso.

Até onde eu entendi, a idéia por trás do SmartBook é de oferecer uma melhor experiência de uso de internet móvel, principalmente para aqueles que não estão satisfeitos em fazer isso seus celulares e smartphones. A grande sacada neste caso é de tirar proveito da mesma oferta de redes 3G já disponíveis no mercado e utilizá-lo num equipamento com cara de netbook. Em vez de de uma mini-internet de bolso, o SmartBook oferece o que a NVidia chama de Experiência de Internet de Alta Resolução (High Res Internet Experience).

nvidia_posicionamento_small

O protótipo apresentado hoje é um portátil com tela LCD de 8,9″ wide  chamado Mobinova Elan baseado no processador Tegra 600 de 650 MHz, 256 MB de RAM, SSD de 16 GB, rede Wi-Fi 802.11b/g, modem 3G, Bluetooth, dois alto falantes estéreo etc. Veja ele sobre meu ThinkPad X60S com tela de 12″.

nvidia_smartbook_compared_small

Sua curiosa bateria de 3 células (10,8V/2.250 mAH) possu uma curiosa articulação que quando puxada para baixo, revela mais algumas portas de comunicação, além de inclinar levemente seu teclado, melhorando sua ergonomia.

nvidia_smartbook_io_small

O que mais me chamou a atenção sobre esse produto é que devido ao fato do chip Tegra vir ser um processador do tipo ARM RISC, ele não roda Windows XP e sim uma versão atualizada do Windows CE/Mobile como o AMD PIC ou o IBM WorkPad Z50:

nvidia_smartbook_OS_small

Quando descobri isso senti um calafrio da espinha, já que apesar de serem equipamentos bastante capazes, tanto o PIC como o Z50 sofriam do mesmo dilema de “ser ou não ser Windows” ou seja, apesar de ser tecnicamente uma versão do Windows o usuário não pode baixar nem rodar programas desenvolvidos para o XP ou Vista, o que já causou muito desgosto ou mesmo provocou a ira de muitos usuários que sentiram ter comprado gato por lebre.

Falei sobre isso com Richard Cameron — territory manager da NVidia — e ele comentou está ciente dessa questão, mas ele me afirmou que isso é uma questão de educar e orientar corretamente o consumidor na hora da compra. Fora isso, na sua versão final desse produto o usuário não terá acesso ao desktop do sistema e sim apenas a uma interface de “conteúdo rico” que dará accesso a todos os recursos oferecidos pelo sistema, como já ocorre hoje com a maioria dos SmartPhones.

nvidia_smartbook_OS_interface_small

Com isso, a NVidia deixa claro que o público alvo desse produto no Brasil será o mesmo consumidor de um telefone celular e que seu modelo de comercialização também deve ser o mesmo, ou seja, acompanhado de uma assinatura e pacote de dados o que ajudaria a melhorar o preço final do produto para o consumidor final. De qualquer modo, ele estima que se ele fosse vendido “desbloqueado” seu custo estaria em torno de uns R$ 700.

Vamos esperar um modelo para testes para poder falar mais sobre esse produto.

Desde o século passado Mario Nagano analisa produtos e já escreveu sobre hardware e tecnologia para veículos como PC Magazine, IDGNow!, Veja e PC World. Em 2007 ele fundou o Zumo junto com o Henrique assumindo o cargo de Segundo em Comando, Editor de Testes e Consigliere.

  • Valdemir

    Eu entendo um netbook: usufruir do conteúdo da internet, publicar coisas leves e ter o conforto de um teclado com a versatilidade de poder usar os programas do desktop do mesmo jeito, podendo sincronizar tudo, etc.
    Os netbooks já voltaram no tempo em questão de poder de processamento e agilidade, apesar de ter evoluído bastante no consumo de energia, por exemplo.
    Na minha opinião, o que poderá dar uma vida para esses Smartbooks é o preço – ainda mais com subsídios – que vai servir como alternativa menos cara aos netbooks. Mas, além de confundir ainda mais a cabeça dos clientes, muita gente vai se perguntar se vale mesmo a pena, para depois o barato não sair caro.
    Se a NVidia construir uma interface realmente rica e que possa substituir as necessidades fundamentais, com applets, gadgets, etc, que realmente funcionem… Aí eu posso tentar ver algo querendo funcionar… Mas mesmo assim, mais uma plataforma pra sincronizar os dados pessoais… É melhor terem uma bela resposta funcional para, no mínimo, o básico, sem deixar de lado um algo a mais.

  • João

    Interessante! O Zune HD também utiliza a plataforma Tegra e roda vídeos 720p, será que o SmartBook também?

  • ASF

    A proposta é ótima e faz sentido, infelizmente a NVidia cedeu a pressão da Microsoft para funcionar como vitrine para o moribundo Windows Mobile na plataforma ARM.

    É apenas uma questão de tempo até esse produto desaparecer ou dar lugar a uma nova geração equipada possivelmente com Android uma vez que a relação atual da NVidia com a Intel exclui a opção de usar Moblin.

  • Rodrigo

    eu acho q esse vai ser o mico de 2010

  • scheldon

    Se usasse maemo ao invés de WinCE eu até consideraria a compra.

    • @scheldon nokia world com prováveis novidades em maemo é agora no comecinho de setembro…

  • se rodasse windows mobile, teria mais futuro.

    A palm tentou com o Foleo e a RedFly lançou o Mobile Companion.

    É melhor comprar um HTC Shift, que tem Windows mobile e Vista no mesmo equipamento.

  • Jmarkco

    De qualquer modo, ele estima que se ele fosse vendido “desbloqueado” seu custo estaria em torno de uns R$ 700. http://www.smartbook.asia

  • Windows CE? Putz! Nem de graça.

    Pq não colocaram um Linux? A Nokia usou o Maemo no N800 e ficou fantástico!

  • ASF

    Ei dflopes, o bicho roda exatamente Windows Mobile!

  • Rodrigo

    Será que dá pra instalar um debian versão ARM nele? Se der é uma opção tbm.

  • A proposta é até boa, mas o SO não agrada. Deveria ter utilizado um Linux! Mesmo pelo baixo preço, acho que não vá fazer muito sucesso, pois com um pouco a mais você compra um mobo ou um asus.

  • Flávio

    Android ?
    Ou qualquer outro Linux para equipamentos mobiles já extenderia a quantidade de aplicativos disponíveis lá no céu e mataria a pau !