ZTOP

Notas da Zumo-caverna: HDD e SSD no mesmo notebook

w700ds_hd_bay

(Atualizado em 13/05/2009) Já no final da nossa análise da nova workstation Lenovo W700ds que está aqui no Zumo, peguei minhas ferramentas especiais para começar a depenar o portátil. Quando removi a tampa do compartimento dos  HDs — que eu já sabia conter dois discos — qual foi minha surpresa ao descobrir que as baias estavam ocupadas por discos diferentes: um magnético de 2,5″ e 160 GB (à esquerda) e outro SDD de 1,8″ e 128 GB (à direita).

No disco da esquerda, podemos ver o tradicional suporte para discos de 2,5″ com laterais de borracha que ajudam a amortecer algum impacto acidental, à direita podemos ver um disco bem menor montado em um curioso suporte de plástico com garras laterais que seguram a mídia no seu lugar.

w700ds_magazines

O disco da esquerda, é um Hitachi Travelstar 7K200 (P/N 42T1461)  de 160 GB SATA 300 de 7.200 rpm, enquanto que o da direita é um disco Samsung MMCQE28G8MUP (P/N 41W0518) de 1,8″, 128 GB e SATA 300, por sinal muito parecido com aquele que vimos no ThinkPad X300.

w700ds_discos_small

Acredito que a idéia, nesse caso, é que o disco SSD seja sempre o disco primário e que proporcione o melhor desempenho possível, enquanto que o segundo disco assume um papel secundário, mais voltado para armazenar grandes quantidades de dados.

E já que estáva com o sistema aqui dando sopa, aproveitei a oportunidade para fazer um teste rápido com o HD Tune primeiro com o HDD da Hitachi:

w700ds_hdtune_hdd

HD Tune: HITACHI HTS722016K9S Benchmark

Transfer Rate Minimum : 8.5 MB/sec
Transfer Rate Maximum : 57.0 MB/sec
Transfer Rate Average : 46.7 MB/sec
Access Time           : 15.0 ms
Burst Rate            : 69.1 MB/sec
CPU Usage             : 1.4%

E depois com o SSD da Samsung:

w700ds_hdtune_ssd

HD Tune: SAMSUNG MMCQE28G8MUP Benchmark

Transfer Rate Minimum : 73.1 MB/sec
Transfer Rate Maximum : 131.8 MB/sec
Transfer Rate Average : 91.1 MB/sec
Access Time           : 0.3 ms
Burst Rate            : 112.5 MB/sec
CPU Usage             : 2.5%

De um lado, acho essa solução é interessante porque ela separa os arquivos de dados do sistema/programas, facilitando assim a mudança física dos dados de um PC para outro, além de servir como uma medida de segurança, já queno caso de uma pane no disco do sistema, os dados ficam a salvo numa mídia à parte. De fato, o disco de dados pode também servir para arnazenar uma imagem do disco de sistema, de modo que ele possa ser facilmente recuperado, principalmente se o disco SSD for para o saco e tiver que ser trocado. Nesse caso, basta colocar um novo disco de sistema e recuperar o sistema a partir do secundário.

Vale a pena também lembrar que os dados contidos num disco SSD danificado não podem ser recuperados, ao contrário do que acontece com os discos magnéticos que, na pior das hipóteses, podem ser desmontados e sua mídia lida por empresas especializadas. Sob esse ponto de vista, essa solução híbrida não parece ser tão estranha assim.

Segundo a Lenovo, o suporte para disco SSD de 1,8″ é removível e pode ser usado tanto na baia da direita quanto da esquerda, de modo que o usuário pode optar por usar dois discos convencionais ou até dois discos SSD ao mesmo tempo que podem ser configurados em RAID 0 (stripping) ou 1 (espelhamento) como se faz no Dell Precision M6400 Covet permitindo assim enfatizar desempenho ou segurança de dados. Fico imaginando o quanto de desempenho que o W700ds poderia ganhar trabalhando com dois discos SSD em RAID 0.

Ainda em tempo:

Falando em armazenamento, notei que a baia de periféricos do W700ds adota um formato que eu ainda não conhecia, batizado de Serial Ultrabay Enhanced (à esquerda) que difere, por exemplo do Ultrabay Slim do meu T61 (à direita).

w700ds_serial_ultrabay_enhanced

Como era de se esperar, o novo formato (emabaixo) tem perfil mais alto que seu antecessor. Note o chanfro na parte de baixo, que não existe  no slim (acima).

w700ds_serial_ultrabay_enhanced_stacked

A grande diferença, porém, fica no seu conector traseiro nitidamente inspirado no Serial ATA. Note o pino de plástico no novo formato que impede que o mesmo encaixe nas baias mais antigas.

w700ds_serial_ultrabay_enhanced_back

Desde o século passado Mario Nagano analisa produtos e já escreveu sobre hardware e tecnologia para veículos como PC Magazine, IDGNow!, Veja e PC World. Em 2007 ele fundou o Zumo junto com o Henrique assumindo o cargo de Segundo em Comando, Editor de Testes e Consigliere.