ZTOP

Hands-on: WD My Passport Wireless de 2 TB

Disco rígido externo My Passport da Western Digital funciona como servidor de mídia e transfere o conteúdo de um cartão SD direto sem a ajuda de um computador.

My Passport Wireless

Aqui neste ZTOP já testamos um monte de discos externos com conexão Wi-Fi de todo tipo, cor e modelo — o que faz com que fique cada vez difícil algum fabricante chamar nossa atenção com algo novo e realmente útil.

O legal é que — de um certo modo — a Western Digital conseguiu essa façanha de chamar a nossa atenção com um produto interessante, cheio de superlativos que oferece algo novo e realmente útil e sim, estou sendo repetitivo!

Estou falando da nova linha de discos externos My Passport Wireless, disponível nas versões de 1 TB (WDBK8Z0010BBK) e 2 TB (WDBDAF0020BBK). Passei um tempinho com o último modelo aqui na Zumo-caverna:

WD_MyPassport_Wireless_box

O kit do produto é formado pelo disco propriamente dito, um cabo USB 3.0 com 48 cm de comprimento e um pequeno adaptador de tomada do tipo bivolt com entrada de 100~240 volts CA com saída na forma de uma porta USB de 5 volts CC de 2 amperes e alguma documentação impressa.

WD_MyPassport_Wireless_unbox

O disco mede aproximadamente 8,6 x 12,7 x 3,0 cm (LxAxP) e 354 gramas de peso (ou 439 gramas com o cabo e carregador) o que nos passa a impressão de ser um equipamento volumoso…

WD_MyPassport_Wireless_na_mao_1

… principalmente se comparado com outros modelos mais simples, equipados apenas com porta USB 3.0:

WD_MyPassport_Wireless_comparado

Acreditamos que essa espessura avantajada seja a soma da altura do seu disco interno de 2 TB, da placa de circuito e da bateria interna cujas especificações não foram divulgadas, mas que a empresa afirma que tem uma autonomia estimada de 6 horas de uso contínuo (= streaming de vídeo) ou de 20 horas em stand-by. O curioso é que essa fonte de energia não pode ser usada como “bateria de emergência” para recarregar outros dispositivos como smartphones ou tablets.

WD_MyPassport_Wireless_espessura

Para efeito de registro (e curiosidade) observamos que a versão de 1 TB é 5 mm mais fina e 80 gramas mais leve que a de 2 TB, o que embasa nossa suspeita que muito da “substância” desse dispositivo vem mesmo da bateria.

Mas, para mim, o recurso mais interessante desse disco é o fato dele vir com um leitor de cartões SD. Com isso, é possível transferir o seu conteúdo automaticamente para o disco do My Passport sem a ajuda de um PC.

WD_MyPassport_Wireless_slot_SD

Isso pode até parecer bobagem, mas trata-se de uma tremenda mão na roda para fotógrafos profissionais, amadores ou qualquer profissional de campo que precise descarregar o conteúdo de seus cartões de memória para uma outra mídia mais segura ou de maior capacidade (mais sobre isso adiante).

WD_MyPassport_Wireless_slot_SD1

Na lateral superior do disco podemos ver (a partir da esquerda) o botão liga/desliga, a porta USB 3.0 micro e o botão WPS/Cópia do conteúdo do SD para o HD.

WD_MyPassport_Wireless_controles

Aqui uma descrição mais detalhada das funções desses controles:

WD_MyPassport_Wireless_botoes

Já na parte de cima do disco podemos ver dois indicadores luminosos de estado…

WD_MyPassport_Wireless_front_panel

… o de cima é o LED de status da energia e da bateria

WD_MyPassport_Wireless_status_LEDs

… e o inferior, o LED de status da rede Wi-Fi:

WD_MyPassport_Wireless_status_LED_WIFI

Fora isso, esses indicadores podem piscar juntos para indicar outros acontecimentos do disco:

WD_MyPassport_Wireless_status_LED_outros

Para colocar o disco para funcionar pela primeira vez, é recomendado dar uma recarga completa na bateria, o que pode ser feito ligando o My Passport numa porta USB livre do PC ou usando o adaptador de tomada incluso.

WD_MyPassport_Wireless_recarga

E como já foi dito acima, o nível da carga pode ser monitorado observando-se a cor do LED de status da energia e da bateria:

WD_MyPassport_Wireless_status_bateria

Antes de ligar o aparelho, vale a pena relembrar que apesar do seu forte apelo móvel, o My Passport não deixa de ser um disco rígido convencional, de modo que o recomendado é que ele trabalhe na horizontal, sobre uma superfície plana e estável — ou seja — nada de colocá-lo de pé ou de lado, largá-lo em cima de uma almofada no sofá,  deixá-lo ligado dentro da bolsa, na mochila e muito menos pendurado numa cordinha no alto para liberar mais espaço na área de trabalho e propagar melhor o sinal do Wi-Fi…

WD_MyPassport_Wireless_dramatizacao1

… e é claro — nem pense em derrubá-lo quando estiver ligado.

Tomado os devidos cuidados, basta pressionar o botão de liga para inicializar o processo de boot do disco, o que leva em torno de 30~35 segundos para ficar totalmente operacional. Já o processo de desligamento leva um pouco menos tempo, aproximadamente 10 segundos.

WD_MyPassport_Wireless_liga

Na sua configuração original de fábrica, nome do SSID da rede do My Passport é (surpresa! surpresa!) MyPassport, que pode ser facilmente acessada por qualquer notebook ou dispositivo móvel já que sua rede não está protegida por senha (o que pode e deve ser habilitado pelo usuário).

WD_MyPassport_Wireless_login_1

Feito isso, o consumidor pode ir no seu programa navegador e digitar o endereço do disco (http://mypassport ou http://mypassport.local ou http://192.168.60.1) e se tudo acontecer de acordo com o esperado, temos acesso a sua interface de gerenciamento/configuração do disco…

WD_MyPassport_Wireless_UI

… onde podemos configurar os parâmetros da sua rede Wi-Fi, o que inclui a conexão do disco com a rede sem fio local, permitindo assim que o usuário mantenha uma conexão com a internet.

WD_MyPassport_Wireless_login_UI_WiFi_OK1

Um detalhe interessante desse recurso, é que é possível compartilhar (ou não) o conteúdo do disco My Passport com os outros usuários conectados na rede principal:

WD_MyPassport_Wireless_login_UI_WiFi_login

Na área de administração é possível configurar vários parâmetros do sistema, como selecionar o nome do dispositivo, idioma da interface, ativar/desativar o protocolo SSH ou o servidor FTP etc.

WD_MyPassport_Wireless_UI_admin

Fora isso, na tela acima também é possível restaurar o sistema para as configurações de fábrica (com opção de também limpar os dados/arquivos do usuário). O curioso é que esse disco não possui um botão físico de “Reset”, o que nos leva a crer que a única maneira de “zerar o disco” é só mesmo via software.

Ztop in a Box: Conectando com o My Passport via FTP:

Segundo o manual do usuário, a presença do servidor FTP serve para transferir arquivos de e para a pasta pública do disco, sendo que ela suporta o login padrão Anônimo.

Essa aplicação pode ser particularmente interessante com câmeras digitais equipadas com módulos de comunicação sem fio capazes de transferir imagens via FTP como a Nikon WT-5 (embaixo)  ou a Canon WFT-3.

Nikon_WT-5A

Para quem interessar, as configurações do servidor FTP do My Passport Wireless são as seguintes:

  • Endereço do servidor FTP: 192.168.60.1 (a menos que tenha alterado o padrão)
  • Endereço da porta do servidor FTP: 21 (não pode ser alterado)
  • Modo passivo: Deve ser desativado
  • Servidor Proxy: Deve ser desativado
  • Método de login/nome: Anônimo (não requer senha)
  • Pasta de destino: Public/<folder> (diferencia maiúsculas de minúsculas)

Na seção de gerenciamento/administração do hardware é possível configurar o sistema para melhor desempenho (acelera o processamento de mídias) porém consumindo assim mais bateria, problema por sinal que pode ser contornado mantendo o disco ligado na tomada.

WD_MyPassport_Wireless_login_UI_hardware

Já quando ativamos a opção de “bloquear unidade” o que o sistema faz é desativar o acesso aos dados via porta USB fechando assim uma possível brecha na segurança do disco. O acesso via rede Wi-Fi não é afetada por esse recurso.

O servidor de mídia/DLNA do My Passport é compatível com diversos formatos de áudio ( MP3, WMA, WAV, LPCM, OGG vorbis, FLAC, M4A, M4B, 3GP, AAC, MP2, AC3, MPA, MP1 e AIF), imagem ( JPEG, PNG, TIF, BMP) e vídeo ( 3GP, 3GP/H.263,3GP/H.264,3GP/MPEg-4, ASF, ASF/WMV, AVI, AVI/DivX, AVI/Full Frame, AVI/MPEG-1, AVI/MPEG-2, AVI/MPEG-4, AVI/WMV, AVI/XviD, DivX, DV, DVR-MS, DVR-MS/AC-3 Audio, DVR-MS/MP1 Audio, FLV, MKV, MKV/DivX, MKV/Full Frame, MKV/MPEG-1, MKV/MPEG-2, MKV/MPEG-4, MKV/XviD, MOV, MP4, MPE, MPEG1, MPEG2, MPEG4, MPG, MTS,  QT, RM, TS, TS/TP/M2T, VDR, VOB, WMV e Xvid) sendo capaz de fazer streaming e gerenciamento de banco de dados:

WD_MyPassport_Wireless_login_UI_midia

Com relação ao gerenciador do cartão SD, o sistema pode ser configurado para copiar (= tirar uma cópia de segurança) ou mover (= liberar espaço) de todos os dados do cartão para o disco, sendo que esse procedimento pode ser automático (imediatamente após inserir o cartão no slot) ou manual por meio de um comando de software ou ao pressionar o botão de WPS.

Pelo que observamos o procedimento de cópia é relativamente veloz e, o mais interessante, ele é incremental, ou seja, se o usuário fizer mais de uma operação de backup de arquivos com o mesmo cartão durante o dia, o sistema só transfere os arquivos mais recentes ignorando aqueles de mesmo nome que já estão no HD. Esse recurso é particularmente interessante, já que isso economiza tempo.

Observamos também que para cada cartão novo inserido no My Passport é criada uma nova pasta com nome individualizado, o que impede que o conteúdo de um cartão se sobreponha sobre outro. E dentro dessas pastas, o sistema ainda cria uma sub-pasta correspondente ao dia em que os arquivos foram copiados.

WD_MyPassport_Wireless_disco_SDs

Para ter uma idéia do desempenho dessa leitora, peguei um cartão SDHC de 16 GB Classe 10 e criei um diretório DCIM com 1.000 imagens diversas em .jpeg com tamanhos que variam de 1,5~8,4 KB totalizando 4,56 GB de dados e coloquei no slot do My Passport para fazer o processo de cópia. O tempo médio ficou em torno de 8m16s ou 496 segundos, o que dá algo em torno de 2,016 imagens por segundo.

Em outro teste mais extremo, transferi ~ 30 GB de fotos de um cartão Micro SDHC (via adaptador) para o My Passport em torno de 34 minutos.

Falando em como acessar o conteúdo do My Passport pelo PC. O volume está meio escondido no ambiente de rede onde vemos o disco como diversos tipos de dispositivos de rede, mas não de arquivos.

WD_MyPassport_Wireless_disco_rede_1

No meu caso foi mais fácil digitar “\\mypassport\” na barra de endereço para localizar as pastas na rede. Neste caso, a Public e o SD. Por sinal a maneira mais rápida de “carregar” o disco com os dados que já estão no seu PC:

WD_MyPassport_Wireless_disco_rede_2

Assim, finalmente localizei a pasta pública do My Passport:

WD_MyPassport_Wireless_disco_rede_3

Outra maneira mais simples e direta de acessar essa pasta é plugar o disco (desligado) numa porta USB livre do computador…

WD_MyPassport_Wireless_USB_disk

… de modo que o mesmo se transforma em mais um disco do sistema, o que também pode agilizar a “carga inicial” do disco:

WD_MyPassport_Wireless_disco_USB2

Neste modo consegui rodar alguns testes de desempenho no My Passport com o Crystal Diskmark. Primeiro ligado numa porta USB 2.0:

WD_MyPassport_Wireless_crystal_USB_20

E aqui ligado numa porta USB 3.0:

WD_Mypassport_Wireless_Crystal

Mas como seria de esperar de um disco voltado para mobilidade, a melhor maneira de tirar proveito desse produto é por meio da App WD My Cloud, disponível para smartphones e tablets compatíveis com os sistemas Android (embaixo) e iOS que, por sinal é o mesmo usado pelo WD My Cloud. Para saber mais sobre essa app veja o nosso review deste produto.

WD_MyPassport_Wireless_aPP

Nossas conclusões:

No geral, achamos a concepção e as especificações desse produto bem interessantes, em especial no que se refere a sua capacidade de armazenamento (2 TB) e os seus diversos recursos, em especial a de funcionar como um disco externo com porta USB e principalmente na sua capacidade de copiar o conteúdo de um cartão SD sem a ajuda de um PC. Isso, na minha opinião, é um recurso super bacana e só ele já seria um fator decisivo para optar pelo My Passport em vez de algum concorrente.

Observamos porém que depois de testar soluções de armazenamento externo baseados em memória flash como o Extreme 500 Portable SSD ou o Connect Wireless Stick da SanDisk, acho que fiquei meio mal acostumado com a resistência desses produtos, de modo que foi um choque voltar a usar um produto que precisa (de preferência) estar uma base firme e estável para funcionar perfeitamente.

Mas isso não tira o mérito do My Passport como um dispositivo móvel, só queremos ressaltar que, ao contrário dos SSDs, os discos HDD são mais sensíveis a solavancos e devem receber uma maior dose de amor e carinho no seu trato por parte de seu dono — já que, no fim das contas, sua vida digital está lá dentro né?

Infelizmente, a Western Digital ainda não divulgou o preço sugerido nem dessa versão de 2 TB quanto a menor de 1 TB.

Mais informações aqui.

 

Desde o século passado Mario Nagano analisa produtos e já escreveu sobre hardware e tecnologia para veículos como PC Magazine, IDGNow!, Veja e PC World. Em 2007 ele fundou o Zumo junto com o Henrique assumindo o cargo de Segundo em Comando, Editor de Testes e Consigliere.

  • deveras interessante. Lembro de uma ideia parecida da Sony ainda na década passada.

    Tenho um WD My Book Live (NAS, apenas com conexão LAN) e usa também o mesmo WD My Cloud (o link pra matéria está com problema), onde o sistema permite fazer o backup do backup para um disco WD – o gargalo ainda ocorre na rede WiFi, mesmo usando 802.11-g.

    Isso vai ser interessante em viagens – pode deixar as fotos no cartão da máquina, mas sempre fazer backup no fim do dia…

    • Mario Nagano

      O meu palpite é que o FTP está presente pela sua “ubiquidade” (arrasei agora hein?), ou seja, se alguém precisar do dito cujo ele está lá.

      Também acho que essa tal de “ubiquidade” deve ter sido o motivo da Canon e Nikon usarem essa tecnologia para transmitir fotos.

  • sigma7777777

    Estava pesquisando na Amazon e encontrei também o modelo de 500GB. Minhas dúvidas seriam sobre a quantidade de usuários conectados ao mesmo tempo, pois na Amazon as opções disponíveis mencionam apenas 5 ou 8 se acessando outros dados, e se é possível restringir o acesso a apenas visualização/leitura, impedindo que os visitantes possam apagar ou alterar dados. Estou pensando em comprar um HD wireless assim para compartilhar conteúdo em reunião, mas não sei se é uma boa ideia devido essas dúvidas que tenha. Por fim, achei a interface da Seagate mais agradável e fácil de usar, mas esse aí tem USB 3.0 e leitor de cartão de memória.
    Ah, agora também me veio uma nova dúvida: se seria possível que cada arquivo tenha um endereço único de acesso, mas isso imagino que seja mais simples e que tenha sim.

    • Mario Nagano

      Quanta dúvida… Deixa-me ver:

      O seu manual do usuário fala em até 8 usuários conectados simultaneamente na internet, só que a transmissão de vídeos via streaming se limita a até quatro. Pode parecer pouco, mas não devemos nos esquecer que se trata de um dispositivo com mais ênfase na mobilidade (e movido a bateria) do que desempenho propriamente dito.

      Com relação ao “endereço único” o que é possível fazer é vc obter um endereço web do aquivo que pode copiado e repassado para o destinatário via email ou mensagem. Com isso é possível fazer um download direto do mesmo.

      Na teoria, é possível conectar-se com o disco via navegador web (como fazemos no PC), porém a App oferece uma interface mais otimizada e fácil de usar nessas dispositivos de tela pequena.

      Sobre o compartilhamento de arquivos apenas para leitura, acho que você poderá encontrar essa resposta aqui:

      http://support.wdc.com/KnowledgeBase/answer.aspx?ID=10424

WP-Backgrounds Lite by InoPlugs Web Design and Juwelier Schönmann 1010 Wien