ZTOP

KHARMA: Um padrão aberto para Realidade Aumentada

Pesquisadores do Instituto de Tecnologia da Georgia desenvolvem uma linguagem de marcação que permitirá criar serviços de Realidade Aumentada (Augmented Reality ou AR) na Web que pode ser acessada de qualquer smartphone.

Batizado de KHARMA (KML/HTML Augmented Reality Mobile Architecture) essa nova tecnologia tem como base a linguagem KML criada para expressar informações espaciais dentro de aplicações como o Google Earth/Google Maps combinada com novos protocolos criados pelos pesquisadores do Georgia Tech.

A grande sacada desse trabalho é que até hoje não existe nenhum procedimento padronizado para criar aplicações de AR o que pode levar a criação de diversos padrões e tecnologias proprietárias que poderão ter alguma dificuldade para trocarem informações entre si a medida que essas tecnologias tornarem-se cada vez mais complexas e cairem no gosto dos consumidores. Assim, o KHARMA está sendo concebido para ser um padrão aberto compatível com a atual padrão HTLM/Javascript o que permitirá que qualquer browser possa rodar essas novas aplicações em qualquer equipamento, incluindo smarphones.

Para demonstrar essa tecnologia, o grupo criou um browser de referência batizado de Argon que roda sobre iOS mas que ainda não está totalmente desenvolvido para ser liberado para o público, mas a intenção é que ele estiver estável que seu código seja liberado como um Open Source.

 

Segundo os pesquisadores o grande desafio dessa tecnologia é de encontrar uma verdadeira Killer App que realmente incentive os consumidores e o mercado a caírem de cabeça nesse mundo da realidade aumentada.

Mais informações aqui.

 

 

Desde o século passado Mario Nagano analisa produtos e já escreveu sobre hardware e tecnologia para veículos como PC Magazine, IDGNow!, Veja e PC World. Em 2007 ele fundou o Zumo junto com o Henrique assumindo o cargo de Segundo em Comando, Editor de Testes e Consigliere.

  • RJP

    1o estabilidade p/ depois abrir o código? Ah, esses acadêmicos… "Release early, release often", já dizia Eric S. Raymond, em "A Catedral e o Bazar".