ZTOP

Hands-on: Tablet educacional da Intel com Android 3.2

Durante o Intel Developer Forum 2011, em setembro, descobrimos que o pessoal de Santa Clara trabalhava em um tablet para uso educacional inspirado no Classmate PC. Hoje a Intel Brasil fez uma prévia do Intel Learning Series Tablet, produto que serve como referência para fabricantes de hardware e que deve ser lançado por aqui até o final do ano.

Com codinome “Spring Hill”, é um dos primeiros (se não o primeiro) tablet Android 3.x com processador x86 (Atom) e tela de 7 polegadas. Segundo a Intel, esse tablet complementa a atual linha de Classmantes formado atualmente pela versão “netbook” e a com tela conversível.

Fernando Martins, presidente e gerente geral da Intel Brasil, explicou que o tablet é mais uma opção de ferramenta de ensino para os educadores e é integrada ao atual ecossistema já desenvolvido para o Classmate PC.

Isso inclui ferramentas de interação, gerenciamento e controle de equipamentos, incluindo recursos — inspirados na tecnologia Intel VPro — que desativam o tablet caso ele se mantenha longe do ambiente escolar por muito tempo.

Outra característica importante é a resistência do equipamento a maus tratos, em especial a quedas, batidas, torções, arranhões, mordidas, saltos mortais e outros malabarismos, entrada de poeira e até um banho de vez em quando.

Medindo 13,5 x 20,7 x 1,65 cm (LxAxP) e com 550 gramas de peso, o Learning Series Tablet é um equipamento robusto equipado com um processador Atom Z650 “Oak Trail” de 1,2 GHz single core com hyperthreading, botão de home, duas webcams (frontal de 0,3 MP e traseira de 2 MP), acelerômetro, chip de segurança TPM e Wi-Fi. Bluetooth e 3G são opcionais.

Sua tela LCD capacitiva de 7″ possui resolução nativa de 1.024 x 600 pixels (16:9) e protegida por uma capa de vidro. Segundo a Intel, já existe a previsão de sair uma versão com tela de 10″.

Aqui podemos ver a webcam frontal de 0,3 megapixel, o sensor de luminosidade e o microfone embutido…

… e na sua base o botão de home e uma luz que indica que o equipamento está ligado.

Como era de se esperar, o corpo desse tablet é feito de um tipo de material plástico branco fosco, cuja textura lembra um pouco massa fina de construção ou gesso.

Interessante notar que, ao contrário de outros policarbonatos mais “duros” como o acrílico, esse material parece ser relativamente “macio”: Ao sofrer um impacto, ele absorve parte da energia “deformando-se”, em vez de trincar ou mesmo arrancar um teco. Falamos isso porque notamos algumas “cicatrizes”  no gabinete, sinal que esse tablet já deve ser levado alguns tombos em outras demonstrações (só na nossa foram quatro).

Na base do tablet podemos ver como esse material envolve todo o gabinete proporcionando assim uma estrutura bastante rígida que protege o seu circuito interno.

Aqui podemos ver a sua webcam traseira de 2 megapixels…

… e o seu controle de volume protegido por uma capa de borracha:

Na parte de cima estão o botão de liga/desliga (na cor laranja) e outra capa de borracha cinza…

… que protege o acesso aos slots para cartão 3G e de memória flash (padrão SD), saída de vídeo padrão HDMI (uia!) e fone de ouvido estéreo…

Na base, temos um compartimento semelhante…

… que abriga a entrada da fonte de alimentação e uma porta USB Padrão.

Segundo a Intel, por esse tablet funcionar com um chip x86 ele aceita diversos sistemas operacionais podendo até fazer dual-boot. O curioso é que a versão que vimos funcionando no último IDF estava rodando Windows 7 e o modelo apresentado aqui rodava Android.

Ou mais exatamente o Honeycomb 3.2:

Entre os acessórios apresentados, destaque para o que a Intel chama de “Suporte de Posicionamento”, na verdade uma capinha de silicone…

… equipada com uma capa protetora frontal para a tela, ideal para proteger o equipamento de batidas acidentais e demonstradores desastrados.

Ela possui uma abinha que permite manter essa capa fechada na sua posição.

Note as diversas aberturas e ressaltos que dão livre acesso aos diversos componentes do tablet. Interessante notar que a tampa protetora é presa à capa por meio de um sistema de dobradiça, o que impede que ela quebre devido ao excesso de uso.

Mas por que essa capa se chama “Suporte de Posicionamento”? Isso por que ao prender a aba da capa numa abertura existente na sua base…

… esta se dobra funcionando assim como um suporte que permite manter o tablet num ângulo confortável de leitura.

Aqui podemos ter uma idéia do tamanho desse tablet, ao lado do Classmate Convertible de terceira geração que também vimos no último IDF.

Outro acessório apresentado foi o seu carregador de bateria de 12 volts x 2,0 A:

Como dissemos lá no começo, esse produto não é vendido pela Intel, mas sim serve de referência para fabricantes de computadores lançarem suas versões do produto (com 3G, sem 3G, com cor diferente etc.), que acaba sendo vendido apenas para escolas (afinal, é parte do projeto educacional da Intel).

Martins, da Intel, disse que o preço final ainda não foi determinado, por razões óbvias: onde será fabricado, tipos de componentes usados, se terá incentivos fiscais, se entra na MP dos Tablets ou não. Para referência, um Classmate nacional (com teclado e tela) tem preço que varia entre R$ 344 ~ R$ 376, de acordo com a região. Um tablet, por conta dos componentes, pode ser mais caro que um Classmate.

Desde o século passado Mario Nagano analisa produtos e já escreveu sobre hardware e tecnologia para veículos como PC Magazine, IDGNow!, Veja e PC World. Em 2007 ele fundou o Zumo junto com o Henrique assumindo o cargo de Segundo em Comando, Editor de Testes e Consigliere.

  • Rodrigo

    Pena que só é vendido pra escolas e não varejo, porque dependendo do preço e com toda essa construção pra aguentar pequenos impactos, com certeza seria uma boa opção, até pq ainda vai vir um modelo de 10".

    • Mas provavelmente existirá uma versão de varejo baseada no mesmo. A diferença é que os equipamentos tipo "Classmate" são feitos justamente para evitar que os mesmos "entrem no mercado", ou seja, sejam desviados, furtados / roubados ou usados para outros fins senão o educacional.

  • vende, vende, vende, vende!!!!

    um tablet com x86 é um sonho para se fazer de TUDO!!!
    Linux, win7, android…

    E com saidas normais!

    • Jean

      O problema é a duração da bateria.

  • Saulo Benigno

    Fato: Se fosse vendido no varejo ia vender MUITO! Feito água, eu iria comprar pelo menos uns 3 para dar de presente. Que legal.

    • RodrigoNunes

      Com certeza, se fosse vendido no varejo iria vender feito água, até pq a julgar pelo preço do Classmate nacional que fica em menos de R$ 400, com certeza esses pequenos nacionalizados, mesmo sendo mais caros, chuto que ficaria custando menos de mil reais, e com toda essa construção resistente a impactos e todas essas entradas e sem falar que o processador é x86 que permite instalar vários SOs, seria uma ótima opção pra compra.

      • mnagano

        Vale a pena observar que esse tablet de R$ 400~500 é o modelo mais simples tipo netbook sem tela rebatível e função de tablet.

        Curiosamente, o projeto desse Classmate mais simples prevê a instalação de uma tela sensível ao toque, mediante o pagamento de um adicional, é claro.

  • Otimo review. O ZTOP esta cada vez melhor, cobrindo de maneira eficiente e objetiva o que intereça. Os editores estão de parabéns.

  • Fabius

    Muito boa proposta, eu gostaria de ter um destes com umas 10' conforme esles prevem lançar.

    Agora só falta a Apple colocar a mão no projeto, acrescentar um dois zeros e posar de boazona perante aos fanáticos.

    • marcelobarman

      vc quer dizer trouxas né?

  • Thiago Mouço

    Pena não botarem essa ideia no mercado. Se produzissem em escala para venda em massa e a um preço acessível, seria uma mão na roda para que as universidades que desejam investir no desenvolvimento tecnológico e inclusão digital. Muitas universidades poderiam distribuir os tablets a seus alunos ou oferecer descontos satisfatórios. Isso sem contar que seria interessante para empresa ganhar visibilidade com média espontânea e buzz gerado pela iniciativa e inovação.

    • não tem uma universidade (com nome de escola de samba) que distribui tablets para os alunos?

      • henriquem

        sim na teoria. na prática, as más línguas dizem que não aconteceu.

        • Saulo Benigno

          Sério? Não aconteceu? Então puro marketing mesmo, essa universidade saiu em tudo que é site de tecnologia.. pena.

    • Isso é uma suposição que digo, mas creio que alguns projetos que já possuem o Classmate (sei de um em Campo Limpo Paulista) poderiam ganhar um upgrade com os tablets.

      • mnagano

        Segundo a Intel, a idéia é que os tablets atendam um público mais novo como alunos de escola primária que consomem mais conteúdo e a medida que eles aprendem a escrever e começam a gerar mais conteúdo, a idéia é que eles migrem para os modelos com teclado.

  • sidney

    gostei do produto, tem componentes que facilitariam a produção a custo baixo, e fora que com x-86,como ja foi citado poderiamos instalar vários so, de linux a WinXP ou 7 ,8…(inclusive dual boot!)…eu compraria, se o preço fosse adequado…lembrem- se que no passado antes do ipad muita gente estava pondo touchscreen em macbook e construindo tablets..até mesmo havia um empresa que fazia isto….claro que é possivel fazelo mais barato com ARM,mas a versatilidade do x86 e as sobras de atoms que não vão parar em netbooks podem fazer a diferença.

  • nerdsabetudo

    faltou dizer se o modelo tem ventoinha como todos os prototipos de tablets com processadores x86 que a Intel anda apresentando. Porque imagine uma sala com 40 alunos todos com tablets com ventoinhas a mil… haja ouvido para suportar – além da falação das crianças!

    • mnagano

      Nope, ele não tinha ventoinha. De fato a única abertura que vi no gabinete são quatro furinhos na base por onde sai o som do alto-falante.

  • glaucopgomes

    Faltou dizer a configuração dele…

    Mas com arquitetura x86, HDMI, USB, … dá para fazer um bocado de coisa com ele.

    Realmente deveriam fazer uma versão para o varejo, se tivesse um preço abaixo dos R$ 1.000,00 acho que ia vender muito bem.

    • RodrigoNunes

      Vc ainda "acha" ? Eu não acho, eu tenho CERTEZA que se fosse vendido no varejo, fabricado aqui no brasil (e com todos os incentivos para tables nacionais) é quase certo que ficaria abaixo dos mil reais, basta ver o valor do Classmate nacional que fica abaixo dos R$ 400. E como vc falou, com x86, HDMI e UBS daria pra se divertir bastante com esse pequenino, resta ver de quandos gigas seria o armazenamento interno dele.

    • mnagano

      Durante o último IDF a Intel mostrou um modelo de referência de um tablet — codinome Red Ridge — com tela de 10" equipado com o novo processador Atom Medfield de baixíssimo consumo:

      http://ztop.com.br/2011/09/21/idf-2011-atom-entra

      Assim, acredito que a chegada dos tablets com Intel no mercado de varejo é só uma questão de tempo.