ZTOP

Gadget verde do dia: Panasonic Risaikura MS-N53

panasonic_risaikura_ms_n53a

Num mundo cada vez mais preocupado com problemas ambientais, a Panasonic apresenta uma solução muito interessante — o Risaikura MS-N53 — um processador de lixo doméstico que transforma restos de comida em adubo orgânico para plantas — e dos bons! — garante a empresa.

panasonic_risaikura_ms_n53c

Essa engenhoca é capaz de processar até 2 kg de material orgânico como restos de comida, cascas de ovos, frutas e legumes, folhas etc.  (menos ossos, cascas de ostras e materiais enxarcados com óleo de cozinha como borra de fritura) utilizando ar aquecido a 130°C para secar a mistura que é remexida automaticamente. A grande sacada do MS-N53 é que graças ao uso de um catalisador à base de platina-paládio, a decomposição do lixo não produz o mau cheiro característico, permitindo assim que o mesmo possa ser usado dentro da cozinha sem o risco de empestear o ambiente doméstico.

Essa operação pode levar de três a seis horas dependendo do produto desejado já que, quanto mais tempo na máquina, mais seco o composto. Assim, a dona de casa poderia carregar o MS-N53 com lixo produzido durante o dia e processá-lo à noite.

A Panasonic estima que uma família japonesa com três pessoas produz em média 400 gramas de lixo orgânico por dia, cujo volume seria reduzido em 70% depois de passar pelo MS-N53. Os compostos mais secos seriam mais indicados para adubar árvores, enquanto que o material processado por menos tempo preservaria mais suas proteínas e melhor para usar em vasos de flores ou hortas.

O produto deve chegar às lojas japonesas em abril pela bagatela de 85 mil ienes (~R$ 1.995) junto com uma versão de menor capacidade (apenas 1 kg) o MS-N23 de 65 mil ienes (~R$ 1.526). Mais informações aqui.

No Brasil:

Os moradores da grande São Paulo não precisam esperar até abril (nem ir para o Japão) para conhecer pessoalmente esse produto.  Um protótipo do MS-N53 está exposto no Panasonic Idea Plaza, a loja conceito da empresa localizada no Morumbi Shopping em São Paulo na área de cozinha, no chão ao lado da pia. Mas como boa parte dos produtos em exposição, ele ainda não tem previsão de ser vendido no Brasil.

Desde o século passado Mario Nagano analisa produtos e já escreveu sobre hardware e tecnologia para veículos como PC Magazine, IDGNow!, Veja e PC World. Em 2007 ele fundou o Zumo junto com o Henrique assumindo o cargo de Segundo em Comando, Editor de Testes e Consigliere.

  • fernando

    Precisa ver se o consumo de energia deste aparelho – afinal ele gera calor por 6 horas – para processar lixo faz dele de fato “verde”.

  • Segundo a Panasonic, esse processador consome algo em torno de 1,0 Kwh. Acredito que o consumo de energia deva cair um pouco depois da temperatura interna chegar aos 130°C.

    Totalmente verde mesmo, só o porco devorador de lixo que vivia debaixo da pia da casa dos Flintstones.

  • Pingback: Nungo()