ZTOP

Gadget “faça-você-mesmo” do dia: Sony MESH

Sony cria plataforma de prototipação criativa que usa circuitos e sensores na forma de bloquinhos inteligentes que se comunicam sem o uso de fios.

Não é só a Intel que caiu de cabeça no mundo do “faça-você-mesmo” (ou Makers, como dizem os moderninhos). De olho no potencial criativo e de inovação desse movimento cultural hi-tech, a empresa criou a plataforma MESH (Make, Experience, SHare).

Revelado para o público em maio de 2014, esse produto é fruto da nova divisão de Criação de Novos Negócios da Sony que foi concebida e está diretamente subordinada ao CEO da empresa Kazuo Hirai. A estratégia neste caso é de incentivar qualquer funcionário da Sony a criarem equipes de até cinco pessoas (o que pode incluir até gente de fora) e propor novas idéias de produtos diretamente para a direção da empresa. E caso ela seja aprovada, os vencedores tem até seis meses para desenvolver um plano de negócios e, o mais importante, estão liberados das suas atribuições do dia a dia para se dedicarem em tempo integral ao seu projeto.

Assim, a empresa espera acelerar ao máximo o desenvolvimento de idéias novas e promissoras, como seu novo smartwatch com tela (e correia) de e-paper.

sony_e-paper_watch

Segundo o líder desse projeto, Takehiro Hagiwara, a plataforma MESH é formada por diversos módulos de hardware na forma de blocos coloridos, sendo que cada um deles incorpora um recurso em especial como um LED, sensor de movimento/acelerômetro, microfone, alto-falante, câmera, motores, interruptores, etc. sendo que todos eles vem equipados com uma interface de rede sem fio baseado na tecnologia Bluetooth Smart, o que permite que eles se conectem e troquem informações entre si e com o mundo exterior.

Sony_MESH_demo

Fora isso, todos os blocos possuem um firmware cujo comportamento pode ser programado por meio de uma simples interface gráfica baseada em HTML 5, o que possibilita que qualquer pessoa, mesmo com pouca ou nenhuma experiência em programação possa desenvolver suas próprias rotinas usando um PC, tablet ou mesmo smartphone.

Sony_MESH_programming

Por exemplo, no caso do bloco com LED é possível definir a cor da luz e como ela irá piscar e, por meio da interface gráfica, também é possível definir as conexões entre os blocos e os seus respectivos comportamentos. E o fato desse sistema dispensar o uso de fios, é possível imaginar aplicações bem interessantes e implementá-las de maneira ainda mais simples.

Sony_MESH_makers_faire

Alguns exemplos:

1. Colocar um bloco sensor de movimento e outro com alto-falante dentro de um boneco de pelúcia e programá-los para que o brinquedo comece a rir quando alguma criança pegue o mesmo e o chacoalhe.

2. Fixar um bloco sensor de movimento na porta da geladeira e outro bloco com câmera em algum local estratégico capaz de “ver” o interior dela. Ai é só programar os blocos para que toda a vez que a porta da geladeira for aberta, a câmera tire uma foto do interior e mande a imagem para o smartphone do seu dono. Assim  ele poderá ver o que ele precisa ou não passar na mercearia na volta do trabalho.

3. Fixar um bloco de LED em um guarda-chuva e programar o MESH para verificar a previsão do tempo on-line de modo a fazer com que a luz acenda toda vez que uma chuva estiver a caminho ou já estiver caindo.

Se alguém percebeu nisso, alguma semelhança com o que os expertos hoje chamam de internet das coisas. Isso não é mera coincidência. 😉

Mais informações aqui.

 

Desde o século passado Mario Nagano analisa produtos e já escreveu sobre hardware e tecnologia para veículos como PC Magazine, IDGNow!, Veja e PC World. Em 2007 ele fundou o Zumo junto com o Henrique assumindo o cargo de Segundo em Comando, Editor de Testes e Consigliere.

  • eu queria uma geladeira que me permitisse cadastrar o prazo de validade, apenas lendo o código de barras. Se eu tivesse que digitar, seria necessário uma interface de entrada de data.
    Será que o MESH permitiria esse tipo de “serviço”?