ZTOP

Como funciona o Android no Lenovo X1 Hybrid

Passeando pelo showcase da Lenovo aqui na CES 2012, tivemos a oportunidade de dar uma olhada mais de perto no IMM (Instant Media Mode) no ThinkPad X1 Hybrid. De fato, é um produto cheio de surpresas.

A primeira delas é que, ao contrário do que acreditava, não se trata de um sistema operacional de carga rápida como o Express Gate da Asuse sim uma aplicação que só roda dentro do Windows. E não se trata de um programa simples: ele de fato desativa o processador x86 para ativar o sistema com ARM.

E por que não ativar esse recurso a partir de um PC desligado? Segundo John Mese, arquiteto de software da Lenovo, trata-se de uma questão de segurança, já que dentro do Windows as informações do usuário estão totalmente protegidas dentro do ambiente de segurança do Thinkpad, ao contrário das soluções de boot rápido, cuja vantagem começa a perder sentido à medida que o boot do Windows fica cada vez mais veloz em plataformas como ultrabooks.

Mese explicou que a implementação (de hardware) desse recurso foi feito por meio de um cartão mini-PCI que contém o processador + sistema operacional + memória de armazenamento – e por isso o IMM não compartilha sua memória de armazenamento com o portátil.

Sua tela principal incorpora as quatro aplicações essenciais (video, música, email e browser)…

… mas o interessante é que ele possui um menu secundário que abriga outros apps, o que significa que o IMM pode, na teoria, incorporar outras funcionalidades além daquelas apresentadas no menu principal.

De fato, esse SO trabalha de maneira tão independente do portátil que ele conta com seus próprios indicadores de estado, incluindo seu próprio medidor de bateria cujo indicador pode diferir do indicado pelo Windows:

E o mais interessante: apesar da Lenovo não ter deixado isso claro em seu press release, esse sistema “baseado em Linux” é mesmo baseado em uma versão bem modificada do Android.

Segundo a Lenovo, a intenção é que com o passar do tempo esse sistema híbrido se espalhe para outros sistemas, incluindo aqueles voltados para o consumidor final. Fora isso, a medida que novos apps sejam criados para esse sistema, pode ser que esses computadores híbridos comecem a se comportar cada vez mais também como smartphones, sem perder sua compatibilidade com Windows.

Ainda em tempo: conversando com o pessoal do stand de Thinkpads, ouvimos a confirmação de que o sucessor do X-1 já está no forno e pronto para ser lançado ainda no primeiro semestre desse ano. Nosso palpite é que pode ser uma atualização de plataforma baseada no Ivy Bridge.

 

Desde o século passado Mario Nagano analisa produtos e já escreveu sobre hardware e tecnologia para veículos como PC Magazine, IDGNow!, Veja e PC World. Em 2007 ele fundou o Zumo junto com o Henrique assumindo o cargo de Segundo em Comando, Editor de Testes e Consigliere.

  • Matutando um pouco aqui.

    Há uns tempinhos remotos (não tanto) atrás, muitos equipamentos estavam sendo vendidos sem sistema operacional ou com alguma distribuição com Linux. Hoje parece que as coisas estão migrando para equipamentos com Dual SO, onde tem um Windows como principal e uma distro Linux pequena para coisas básicas como secundária. Se bem que esse Lenovo tem "dois computadores", um dentro de outro, em um pelo jeito. Será que no futuro realmente isso pega pra valer, ter dois sistemas operacionais no mesmo equipamento, cada um com suas funções?

  • Mas para que serve esse segundo sistema operacional se ele roda em cima do windows? Não faz sentido. Só se fosse para usar o segundo SO para tocar mídia enquanto se trabalha no windows, mas mesmo assim, com o poder de processamento hoje em dia, isso não faz sentido.

    • mnagano

      A idéia nesse caso é que o Hybrid seja usado para realizar tarefas simples que não precise da capacidade de processamento de um Core iX rodando a mil por hora, economizando assim muuuuita bateria. Um bom exemplo é a reprodução de vídeos e imagino que no futuro outras aplics possam tirar proveito desse recurso, como navegação com GPS ou jogos casuais.

      Uma coisa interessante que ouvi de David Roman Senior VP de marketing da Lenovo é que sua empresa não tem medo de experimentar novas idéias e, caso alguma não dê em nada, no hard feelings.

      Isso é a essência da inovação.

      • brenopeck

        Acho que isso é a essência da confusão. Se eu preciso de um dispositivo pra fazer coisas simples economizando bateria, compro um tablet, e vice-versa para o notebook. O pior é achar que os consumidores podem ser usados como cobaias e depois "no hard feelings". Usuários dos Nokias N900 e N9 não devem ter soft feelings pela finlandesa.

        • CD1

          e o que você acha que foi o iPhone? uma inovação, um tiro no escuro dado pela Apple. e deu certo. imagine se eles não tivessem tentado? aqueles caras que passam horas/dias na fila pra comprar o aparelho no dia do lançamento foram os cobais. isso sempre acontece.

  • Pingback: 20 minutos com o pai do ThinkPad()